segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Os 24 anos do bicampeonato de Piquet

FÓRMULA 1 - HISTÓRIA

O dia 15 de outubro é uma data especial para o automobilismo brasileiro. Há exatos 24 anos, o brasiliense Nélson Piquet conquistava no autódromo de Kyalami, na África do Sul, o seu bicampeonato mundial de Fórmula 1, correndo pela equipe Brabham. O primeiro veio em 1981, pilotando pela mesma equipe. O tri viria em 1987, correndo pela Williams.

A temporada de 1983 foi marcada, principalmente, pelo equilíbrio entre os pilotos e as equipes. A prova disso é que oito pilotos diferentes venceram pelo menos uma etapa do campeonato. Nélson Piquet venceu três provas, e Riccardo Patrese faturou uma, ambos pela Brabham. A Ferrari venceu quatro corridas: três com René Arnoux e uma com Patrick Tambay. A Renault saiu vitoriosa em 4 etapas, todas sob o comando de Alain Prost, maior adversário de Piquet no campeonato. Já McLaren, Williams e Tyrrell venceram uma prova cada, com John Watson, Keke Rosberg (campeão do ano anterior) e Michele Alboreto, respectivamente.

Nélson Piquet e sua Brabham no GP do Brasil, em Jacarepaguá

Piquet não poderia ter começado melhor a temporada: faturou de cara o GP do Brasil, levando ao delírio a torcida brasileira no circuito de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Porém, ao passar das corridas, Prost começou a mostrar toda sua força e o favoritismo da Renault, faturando as etapas da França, Bélgica, Inglaterra e Áustria.

Faltando três etapas para o término do campeonato, a vantagem do francês sobre o piloto brasileiro era expressiva: 14 pontos. Piquet precisava de uma espetacular reação, ou então veria o título escapar de suas mãos. E a reação veio! O brasileiro venceu de forma imponente os GP's da Itália e da Europa, encostando em Prost na briga pelo título.

Chega a etapa final em Kyalami. Mesmo com os dois triunfos seguidos de Piquet, Prost era líder na classificação, com 57 pontos, dois a mais que o brasileiro. Arnoux, com 49 pontos, também tinha chances, ainda que remotas, de ser campeão. Na corrida, Arnoux saiu da briga logo na nona volta, com o motor da Ferrari estourado.

Sobravam então Piquet e Prost. A sorte sorriu para o brasileiro na 35ª volta, quando Prost é obrigado a ir para os boxes e abandonar com problemas no turbo de seu carro. A partir de então, Piquet passa a correr com cautela, pois precisava apenas de um quarto lugar para ser campeão.

Ao final das 77 voltas da corrida, o Brasil estava em festa! Nélson Piquet cruzava a linha de chegada na terceira posição, chegando assim aos 59 pontos, e faturando o título de 1983, que seria o primeiro da história de um carro equipado com um motor turbo. Este foi também o último título de pilotos da equipe Brabham, que fez sua última temporada em 1992. A equipe campeã de construtores na temporada foi a Ferrari, com um total de 89 pontos.

Parabéns, Nélson Piquet! Sem dúvidas, um dos maiores gênios do automobilismo de todos os tempos.

4 comentários:

Bernardo Lima disse...

esse título dele eu vi algumas partes em um dvd de um amigo meu...
foi foda msm...
época que a fórmula 1 era boa...
pq agora eu acho mt chata...
é mais uma diusputa de equipes do que a habilidade dos pilotos...
além de não termos representantes brasileiros decentes...
gostava do massa, mas ele ta dando mt mole...

Daniely disse...

rs...é mesmo destino que o primeiro texto seja logo sobre fórmula um...longa história,rsrs
blog legal...semana legal pra vc...abraço!

Rodrigo Carvalho disse...

Parabéns pelo blog, além da idéia e proposta do blog ser muito criativa, as postagens também sõ muito vem elaboradas.

Te desejo muito sucesso!

Rodrigo Carvalho
Blog Radicalidade Democrática

wArDuNkS disse...

Piquet é foda..[desculpe a palavra]... gostaria muito de ter visto ele correr...
o melhor dele é que fala o que pensa, e as vezes fala demais...rsrsrs

o melhor são suas resposatas para as prguntas dos reporteres