quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Gigantes como o esporte

SUPERAÇÃO
.
O veterano Romário é chamado de “baixinho” e tem 1,69m, o europeu Peter Crouch é o grandalhão dos 2,01m, deixando para traz o melhor do mundo Kaká que tem 1,86m. Porém, bem maior que a altura desses craques do futebol, o esporte mostra, mais uma vez, sua grandiosidade. Recém-fundado, em Belém (PA), o “Gigante do Norte” é o primeiro time do Brasil formado somente por anões.

O maior dos quinze jogadores tem 1,32m, o mais baixo, conhecido como Robinho, tem 1,10m, 62 cm a menos que o craque do Real Madrid com o mesmo apelido. Porém, o menor jogador do “Gigante” não é o único que é conhecido por nomes de jogadores consagrados. O time paraense ainda conta com Romário, o lateral Roberto Carlos e o artilheiro Wagner Love.

O time foi fundado pelo técnico Carlos Lacerda. Criar a equipe foi uma maneira dele ajudar essas pessoas que, segundo ele, são discriminados. “Precisa ver a alegria com que os anões vêm jogar, a dedicação... eles têm pés pequenos – Robinho, por exemplo, calça chuteiras número 20 – mas aqui não existe essa história de ser chinelinho”, brincou o técnico em entrevista ao jornal Diário de São Paulo. “Os anões são bons. A gente precisa acabar com o preconceito. Os meus meninos têm tanta capacidade quanto os grandalhões”, completou.

Para formar o grupo, Lacerda contou com a ajuda do anão mais famoso de Belém, o humorista Alberto Jorge, que divulgou a iniciativa num programa de TV. Depois da veiculação, pessoas de diversos estados ligaram dispostas a entrar na equipe. A procura animou o técnico que agora pensa em (“quem sabe”) organizar um campeonato brasileiro só de anões.

Apesar de não ter adversários “à altura”, o time treina com os garotos da escolinha de futebol da Tuna Luso, treinada também por Lacerda. Os jogadores pensam grande. Usam campos nas medidas oficiais à pedido deles próprios e o técnico já pediu à Federação Paraense de Futebol para que o Gigante faça os jogos preliminares da Tuna no campeonato estadual que começa no dia nove de fevereiro.

A estréia vitoriosa do time foi no dia 12 de janeiro contra o time Visagentos, formado por deficientes, por 8 a 1, diante de 4 mil espectadores. Um dos planos para 2008 é montar dois times para que façam apresentações disputando entre si. Segundo matéria publicada no portal on line da Secretaria Estadual de Esporte e Lazer do Pará, do dia 23 de janeiro, faltavam apenas quatro jogadores para formar a segunda equipe.

A maioria dos jogadores está desempregada e, enquanto o xará famoso tem gorda conta bancária jogando pelo time espanhol, Robinho sonha em chegar a ganhar um salário mínimo. “Nós não queremos esmola, mas mostrar que somos bons jogadores. Tenho visão de jogo e técnica. Só não consigo pedalar igual ao Robinho”, diz o cover.

Força de vontade é o que não falta para o Gigante do Norte. Nem a altura de 2,44m do travessão, por exemplo, intimida Telmo Élber Ferreira, o goleiro de 1,32m. “Não defendo as bolas no ângulo, mas pego todas as demais”, jura.
.
Foto: Marcelo Seabra/O Liberal

9 comentários:

blog disse...

Resta saber se o time é uma caricatura, e se as pessoas divertem-se com o fato de serem anões.
Aí a coisa entra na seara do politicamente correto.
Enfim, como sber?

Norma Desmond disse...

espero que dê certo então

Duda disse...

Obrigada pelo comentário lá no meu blog. E adorei a frase!

;*

young vapire luke lestat news disse...

Concordo com o comentário deo blog.
Será uma caricatura de um time.
Caso seja acho de muito mau gosto. Se for um trabalho serio é muito louvável.


[]s L.Sakssida

Kuяoмι Mαrкgrαf disse...

Caricatura de um time...
Eh, esse mundo não dá muito lugares para pessoas diferentes do que "eles" julgam ser normal...
¬¬

É Froid!
Mas sucesso pra eles!

Todo mundo tem o livre e expontaneo direito de correr atrás de bolas.

Ahdriano disse...

Time de anões?
Bom...só nos resta desejar muito boa sorte para eles...

http://humoricando.blogspot.com

Raoni Frizzo disse...

Vi a matéria na tv pouco tempo atrás e achei muit olegal a iniciativa.

Acho que esse negócio de usar nomes de jogadores famosos não creio que seja caricatura, mas sim uma forma de fazer o time e seus jogadores se identificarem mais facilmente com o público.

O único problema mesmo parece ser a falta de adversários, mas tomara que logo surjam outros times de anões e passem a competir entre si.

Sucesso pra eles!!!

Boa matéria Adílson. Parabéns mesmo cara!

Feänor disse...

É... O que o blog disse realmente deve ser levado em consideração.

Acho que colocar 2 times para fazerem apresentações seria justamente transformá-los em caricaturas, em simulacros "cômicos" - seria assim que as pessoas os enxergariam - de um time usual.

Ainda assim, analisando do ponto de vista dos anões, é um exemplo de superação.

Lembor de ter assistido na tv há uns 2 ou 3 meses um caso similar, de um anão, mas que era ainda mais impressionante: ele era um jogador de basquete! Sim, basquete! E apesar de ser um esporte onde a altura é de suma importância, ele jogava MUITO bem! Ah, sim, e não era em um time de anões não... Claro que ele tinha suas limitações, mas ele LUTOU para superá-las. Nunca poderia ser um pivô, claro, mas se tornou um excelente armador para as jogadas!

Foi inspirador vê-lo jogar e ouvir sua história.

Tyaguim disse...

Enquanto eu lia, imaginava o goleiro e as bolas altas...
"...todas as demais", ele pega...
Ótima iniciativa. Tomara que se faça logo o segundo tume.
Abraço