quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

De carros à macarrão

ITÁLIA
.
Na época áurea da indústria automobilística, Ford, o proprietário da empresa, teve a idéia de pagar aos seus funcionários uma quantia suficiente para que eles pudessem também ser consumidores da empresa, comprar um carro. O objetivo: aumentar as vendas. Parece estranho, mas em pleno século XXI, um empresário pensou da mesma forma.

Enzo Rossi é um italiano dono do pastifício (empresa que fabrica massas ... Mamma mia!) La Campofilone. Ele decidiu passar um mês inteiro com o salário de um operário de sua empresa. O objetivo inicial era mostrar à suas duas filhas, uma 14 e outra de 15 anos, que a vida das pessoas mais pobres era difícil. “Achei que seria pedagógico para as meninas aprenderem a controlar o dinheiro. Para isso, combinei com a minha família que passaríamos um mês inteiro com cerca de 1000 euros para mim e outros 1000 para minha mulher, que também é funcionária da empresa”, disse.

O resultado: Não conseguiu passar de 20 dias, mesmo economizando ao máximo nas despesas. “Faltavam dez dias para acabar o mês e eu não tinha mais 1 euro no bolso”, falou envergonhado em entrevista a Revista Veja. Rossi concluiu, então, que se o dinheiro acabava para ele, o mesmo devia acontecer com os funcionários e se perguntou: Como eles se viravam do dia 20 ao dia 30? “Era impossível viver com o salário que eu pagava”, disse. A conseqüência da experiência foi o aumento de 200 euros para todos os funcionários.

O empresário confessa certo egoísmo na decisão de aumentar o salário dos empregados. “Se o salário é insuficiente, os funcionários vivem sob stress psicológico e, conseqüentemente, trabalharão menos e mal. Quero que eles estejam bem para aumentar meus lucros”, declarou.

O pastifício ainda não teve o retorno do “investimento”, mas Rossi diz que isso não irá demorar a acontecer visto que no fim do ano aumenta a venda de alguns produtos como o maccheroncino de Capofilone (um tipo de macarrão finíssimo). Segundo o empresário, sem stress devido à falta de dinheiro, os funcionários melhorarão a qualidade das massas e venderá mais. “Com a renda extra, os meus funcionários comprarão mais da massa que fabricam. As vendas vão disparar”, argumentou o italiano.
.
Quando perguntado se sugere que outros empresários façam o mesmo, Enzo Rossi diz que cada um tem sua própria ética e deve fazer da sua vida o que achar melhor. “Para mim valeu a pena”.

4 comentários:

guilhermelaut disse...

É, na realidade Henry Ford ao implantar a linha de produção conseguiu diminuir os custo da fabricação do automóvel e consequentemente seu preço, mas... também aumentou o salário dos seus funcionários, e com essas duas ações foi que seus funcionários poderam ter um poder aquisitivo capaz de comprar o próprio carro que fabricavam.
E sobre essa indústria de macarrão na Itália, eu tinha lido isso já e achei maravilhoso, como futuro empresário vejo isso como um enorme aprendizado, é fantástico!
Imaginem se todos empresários fizessem isso?
Mas... o país que vivemos não é o mesmo da Alice, aqui as coisas são reais, e sabemos que jamais acontecerá, tanto que quando aconteceu virou notícia no mundo todo.


www.caixapretta.net

Renan Becker disse...

Como o guilhermelaut disse, isso dificilmente vai acontecer aqui no Brasil. A atitude apesar de ser apenas para aumentar os lucros até que foi boa, pelo menos os funcionarios ganham um pouco a mais.

Guilherme Lautenschläger disse...

Opa, retornei para lhe propor uma parceria através de troca de link's.
Pode ser?


www.caixapretta.net

Nihk disse...

Nossa, essa da industria eu não sabia não, mas gostei de saber, ah se todos fizessem isso, mas acho que aqui isso não vai acontecer não, infelizmente neh...


legallll o blog
beiiju