quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Quando o sol bater nesse 11 de outubro ...

REPORTAGEM ESPECIAL - 11 ANOS SEM RENATO RUSSO
.
“É tão estranho
Os bons morrem jovens
Assim parece ser.”

Renato Russo


A banda na formação original: Russo, Rocha, Dado e Bonfá

Renato Russo, assim que a segunda lata de cerveja foi arremessada da platéia – costume que ganhava força nos shows de rock -, caiu como se tivesse sido acertado violentamente. Fazia caretas para os músicos e brincava com seu relógio comprado havia pouco tempo nos Estados Unidos. Talvez ninguém das 4.500 pessoas presentes, naquele janeiro de 1995, sabia que eram testemunhas do último show da Legião Urbana. Renato Russo morreria no dia 11 de outubro de 1996, colocando, assim, um ponto final na história da maior banda de rock do país, deixando órfã uma legião de fãs. O rock perdia sua figura mais ilustre, mais importante.

Com letras que falavam de amor, ilusão, críticas, bissexualidade e tantos outros temas, Renato conseguia traduzir o pensamento de toda uma geração. Ela porta-voz de milhares de jovens que viam nas músicas da Legião Urbana a tradução da própria vida, daquilo que sentiam. Com a ajuda da banda “Os Paralamas do Sucesso”, liderada por Hebert Viana, em 1985, a Legião lança o primeiro trabalho. Batizado apenas de “Legião Urbana”, o disco trazia músicas que marcaram a década de 1980, como Será, Ainda é Cedo e o hino Geração Coca-Cola, crítica ao imperialismo norte-americano.

No ano seguinte, 1986, lançaram o segundo disco. Com o nome de “Dois”, foi um dos mais vendido da banda, com mais de um milhão de cópias. Os sucessos seriam: Índios e o romance tumultuado de Eduardo e Mônica. Para o terceiro trabalho, “Que país é esse?”, a banda fez uma coletânea das músicas feitas antes da Legião Urbana, como Faroeste Cabloco, que foi vaiada pelos punks na sua primeira apresentação. Tempos depois, Faroeste mudaria o cenário musical. Com mais de nove minutos, tocava periodicamente ns rádios de todo o país.

A temática mudaria bastante para o disco “As quatro estações”. Considerado por muitos como o melhor da banda, Renato presenteou os fãs com músicas que falavam de amor, honestidade e da relação paterna, na imortal Pais e Filhos. Além de Monte Castelo, uma maravilhosa adaptação do Soneto XI do escritor renascentista português Luís Vaz de Camões (Amor é fogo que arde sem se ver ...) e de “1 Coríntios 13”, do Novo Testamento.

É nessa época na qual Renato Russo descobre ser portador do vírus da AIDS e perde um grande amigo, o cantor Cazuza.


Após a turnê do disco “As quatro estações”, as apresentações da banda tornam-se cada vez mais raras, o que permitiu Renato a se dedicar aos trabalhos solos “The Stonewal Celebration Concert”, que teve 50% da vendagem revertida para projetos sociais, e “ Equilíbrio Distante”, uma homenagem aos seus ascendentes italianos.


Em 1996, com o lançamento do melancólico disco “A Tempestade”, os fãs notaram que alguma coisa estava acontecendo com o líder da banda. O disco começava com a frase “Vamos falar de pesticidas e de tragédias radioativas, de doenças incuráveis”, na música Natália. A citação URBANA LEGIO OMNIA VINCIT (a Legião Urbana vence todas, em latim) estava ausente no encarte. Na faixa Música Ambiente, uma mensagem de adeus: “Certas coisas de todos os dias nos trazem a alegria de caminharmos juntos, lado a lado por amo. E quando eu for embora, não, não chore por mim.”Pouco tempo depois do lançamento do disco, Renato Russo faleceu por razão de uma infecção generalizada decorrente da AIDS. Bem ao modo do ídolo, não houve cortejos nem adorações, apenas alguns fãs ficaram na porta do prédio do músico cantarolando seus maiores sucessos.

Hoje, onze anos depois, a música de Renato continua emocionando milhares de velhos e novos fãs. A banda soma mais de onze milhões de cópias vendidas e o tímido Renato Manfredini Jr., seu nome verdadeiro, não será esquecido tão fácil. Sua obra, muito menos. Sim, a Legião Urbana vence todas.

2 comentários:

Raoni Frizzo disse...

Um salve ao nosso Renato Russo! Um cara que dava vida às suas músicas. Vida inteligente, por sinal, diferentemente de várias porcarias que vemos por aí nas rádios e TVs.

Texto fantástico Adílson!

Dannyell disse...

cara como f� incondicional sou suspeito de dizer qlqr coisa, postei sobre ele hj no
http://pitakus.blogspot.com

se puder passar por la

muito boa a reportagem que p�s , seu blog eh dez, fiquei buscando no yahoo, mas naum lembrava o nome dele, heauehauhe

agora favoritei

vlw